Em um embate entre homem e máquina, em quem você apostaria? Pois o primeiro debate e não embate, por enquanto, entre um humano e um robô aconteceu e terminou em empate. Uma inteligência artificial chamada ‘Projeto Debatedor’ foi colocada contra seres humanos em um debate. O que hoje está sendo chamado como o primeiro debate ao vivo entre homem e máquina aconteceu em uma sala de conferências da empresa IMB, em São Francisco, Califórnia – que também foi a responsável pela construção da IA.

A máquina foi colocada contra o campeão de debate israelense de 2016, Nova Ovadia, além de outro debatedor de Israel, Dan Zafrir. E se você pensa que o debate aconteceu por causa de um vídeo de salada, você se engana. O tema escolhido para que ambos discutissem foi ‘sobre a existência de maiores programas de financiamento público na exploração espacial’ e o segundo ‘se deveria existir mais investimentos em tecnologias de telemedicina’ – também conhecido como diagnóstico remoto de pacientes.

Com um discurso introdutório de 4 minutos para cada debatedor, 4 minutos de réplica contra o opositor, com mais 2 minutos para o discurso de fechamento, a audiência votou em quem teve melhor desempenho. Segundo o The Guardian em ambas as discussões a IA ‘Projeto Debatedor’ recebeu votos como pior entrega de argumentos, mas melhores termos na quantidade de informações que passou. “E apesar de vários deslizes robóticos, a audiência votou na inteligência artificial como mais persuasiva (em termos de mudança da opinião da audiência) do que seu oponente humano, Zafrir, no segundo debate.”

O mais curioso é que o Projeto Debatedor não está conectado a internet, mas recebe suas informações de milhares de jornais e artigos armazenados em sua memória. A IA é capaz de criar argumentos utilizando esses textos assim que confrontada. Segundo o diretor de pesquisas da IBM, Arvind Krishna: “Projeto Debatedor nos moveu a um grande passo para um dos maiores obstáculos da IA: dominação da linguagem”

E caso você esteja preocupado com um possível apocalipse robô, não se preocupe. Arvind pontuou que a tecnologia ainda não está completa, mas que mesmo cometendo alguns erros, ela poderá ajudar futuramente. “Project Debatedor pode ser a última caixa de ressonância baseada em fatos, sem o viés que muitas vezes vem dos seres humanos.” Parece que estamos cada vez mais próximos do futuro idealizado em livros de ficção científica. Carros voadores, onde vocês estão?