Se você pensa que a Apple é responsável apenas pelo celular com a tela mais frágil do mundo e a bateria menos durável, se enganou. A gigante anunciou recentemente um novo fundo de investimento determinado a impulsionar a energia limpa na China, conectando fornecedores com “fontes de energia renováveis”, segundo um comunicado de imprensa.

Aliada a outros 10 fornecedores no investimento de 300 milhões de dólares nos próximos quatro anos, a Apple pretende alcançar o “Fundo de Energia Limpa da China”, que “investirá e desenvolverá projetos de energia limpa” que totalizam mais de 1 gigawatt de energia renovável no país. Essa quantidade é o suficiente para abastecer 1 milhão de residências, segundo a empresa. Um terceiro, o DWS Group, administrará os fundos e investirá.

A expectativa da Apple e seus fornecedores é a criação de mais de 4 gigawatts de energia limpa até 2020.

Essa não é a primeira vez que a Apple se comprometeu a fazer investimento em projetos de energia renovável nos últimos anos. Criado em 2015, o  Programa Fornecedor de Energia Limpa, gerou o comprometimento de 23 parceiros de fabricação da Apple a usar energia totalmente limpa. Já no início deste ano a empresa informou que estava comprando energia verde suficiente para compensar o consumo global de energia em suas instalações em todo o mundo.

Com desafios cada vez maiores na exploração de energias não renováveis, fica evidente que a Apple, uma gigante mundial, está muito preocupada com o direcionamento do futuro para a contínua expansão do seu modelo de negócios em todo o mundo. Resta saber, porém, se outras gigantes do ramo e outros segmentos também seguirão o exemplo, ou se continuarão do lado errado da moeda. Com um atual presidente totalmente averso a qualquer ciência por trás do aquecimento global e suas ramificações para o mundo, é de se esperar certa resistência nos Estados Unidos.